Justiça de Goiás aumenta de 21 para 35 anos a pena de acusados de matar dois advogados em 2020

Os acusados pela morte de dois advogados goianos assassinados dentro do próprio escritório em 2020 receberam penas maiores em julgamento realizado nesta terça-feira, 9. Com a decisão do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO), o fazendeiro Nei Castelli, denunciado como mandante do duplo homicídio, e Cosme Lompa Tavares, apontado como intermediário da execução, tiveram as penas aumentadas de 21 para mais de 35 anos, em regime fechado. Denunciado como executor, Pedro Henrique Martins recebeu uma pena de 45 anos e seis meses pelo Tribunal do Júri.

Os réus foram condenados pelo Tribunal do Júri de Goiânia, em maio de 2023. Na época, a defesa apresentou recursos, mas foram rejeitados pela Câmara Criminal. No julgamento, o procurador de Justiça Maurício Gonçalves de Camargos, defendeu a necessidade de se aplicar, no caso, o chamado concurso formal impróprio, que exige que se faça a somatória das penas impostas aos réus em cada homicídio.

Fonte: Jornal Opção