1 de dezembro de 2021, 20:57h

Covid-19: Não vacinados têm até 13 vezes mais chance de morrer, diz estudo

Um estudo divulgado em outubro pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) é a mais nova prova cabal do efeito positivo das vacinas contra a covid-19. De acordo com o CDC, uma pessoa não vacinada tem um risco muito maior de se contaminar e, caso infectado, necessitar de internação hospitalar e até mesmo morrer. Essa lógica não é uma grande novidade, mas o que impressiona é o grau de proteção agora medido e comprovado pelo estudo, um dos maiores já feitos no mundo.

Para se ter uma ideia, uma pessoa que contraí o vírus e não esteja imunizada tem até 13 vezes mais chances de morrer do que alguém que contraiu a doença após receber as duas doses ou dose única de alguma vacina. Sempre comparando infectados sem vacina e com vacina, a chance de os primeiros necessitarem de internação é dez vezes maior que os já imunizados.

Por fim, uma pessoa não vacinada tem cinco vezes mais chances de se contaminar do que alguém que já recebeu as duas doses ou dose única. Vale lembrar que esses cenários já levam em conta um contexto onde a variante predominante é a Delta, caso dos Estados Unidos e de muitos estados brasileiros. Nos locais onde essa variante, que é mais contagiosa, ainda não chegou com força, a chance de uma pessoa não imunizada se contaminar chega a ser 11 vezes maior do que entre os imunizados.

O estudo é um dos mais robustos até aqui, tendo levado em consideração 600 mil pessoas com mais de 18 anos que, nos Estados Unidos, receberam as vacinas da Pfizer, Moderna e Jansen. E deveria ser lido por todos aqueles que continuam negando a importância dos imunizantes na corrida para frear a pandemia em todo o mundo.

E no Brasil?

Por aqui, as duas vacinas mais aplicadas nos brasileiros são a AstraZeneca e a Pfizer, que não foram analisadas pelo CDC. Mas há diversos outros estudos mostrando a eficácia da cobertura vacinal. Para além dos estudos científicos, temos também as estatísticas da pandemia, que vem perdendo força.

O Brasil deve atingir hoje o patamar de 70% da população vacinada com a primeira dose e 44% com duas doses ou dose única. Estado mais avançado nesse quesito, São Paulo está rompendo a barreira dos 80% vacinados com pelo menos uma dose. Também em São Paulo e no Mato Grosso do Sul, quase 60% já receberam as duas doses.