Brazil Urgente

Portal de Notícias em geral

Vereador Dr. Jairinho e mãe do menino Henry Borel são presos no Rio de Janeiro

Polícia suspeita que o padrasto matou o menino e que a mãe sabia de agressões à criança

A Justiça decretou hoje (8) a prisão temporária do vereador do Rio de Janeiro, Jairo Souza Santos Junior, o Dr. Jairinho, suspeito da morte de seu enteado, o menino Henry Borel Medeiros, de 4 anos, no dia 8 de março. Também teve a prisão decretada a mãe do menino e namorada do parlamentar, Monique Medeiros.

Os dois foram presos na manhã desta quinta-feira em uma casa em Bangu, na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro, e encaminhados para a delegacia de Polícia Civil da Barra da Tijuca. Os mandados de prisão temporária, de 30 dias, foram expedidos na quarta-feira (7/4), pelo 2º Tribunal do Júri da Capital.

A criança morreu no apartamento onde Jairinho e Monique moravam, na Barra da Tijuca, depois de passar um fim de semana com o pai, Leniel Borel. Inicialmente, o caso foi tratado como um acidente, como se o menino tivesse caído da cama, mas perícias médicas constataram que a vítima havia sido vítima de agressões.

De acordo com as diligências conduzidas pela Polícia Civil do Rio, Jairinho, que era padrasto do menino, batia em Henry, dava chutes e pancadas na cabeça dele. A mãe, professora de formação, tinha conhecimento das agressões, pelo menos, desde 12 de fevereiro, segundo os investigadores.

Depois que a polícia começou a investigar se Henry foi vítima de violência doméstica, o casal criou um site, onde se diz inocente. Eles afirmam, ainda, que “a Justiça prevalecerá”.

O vereador Dr. Jairinho disse na delegacia que tudo não passava de uma “injustiça”. O político e a mãe do menino, Monique Medeiros, foram levados à 16ª DP (Barra da Tijuca) por volta das 6h40 desta quinta-feira (8/4).

Laudo mostra lesões graves

O laudo de exame de necropsia no corpo de Henry foi o principal ponto de partida para a investigação sobre a morte do menino de 4 anos. Assinado pelo perito Leonardo Huber Tauil do Instituto Médico-Legal (IML), o documento revela que o garoto morreu por hemorragia interna, laceração hepática por ação contundente, como socos e pontapés.

Foram identificadas múltiplas lesões nos rins, pulmões, nas costas e na cabeça. Depois de ouvir 17 testemunhas, a Polícia Civil do Rio de Janeiro conta ainda com uma força-tarefa com peritos que ainda está debruçada em analisar 11 celulares e três computadores, apreendidos no último dia 26, de Monique, Jairinho e do pai de Henry, Leniel Borel. Investigadores tentam recuperar mensagens apagadas dos celulares do casal, que teriam sido apagadas na noite da morte da criança.