25 de julho de 2021, 15:13h

Covid-19 pode provocar impotência sexual, mostra estudo.

A Covid-19 pode permanecer no pênis dos homens por seis meses após a infecção e aumentar o risco de impotência, alertaram os especialistas.

Isso é conhecido como disfunção endotelial, condição em que o revestimento dos pequenos vasos sanguíneos não consegue realizar todas as suas funções normalmente.

O vírus é conhecido por atacar os pulmões como resultado do estreitamento dos vasos sanguíneos. Especialistas da Universidade de Miami afirmam agora que os danos vão além dos pulmões. O autor do estudo Ranjith Ramasamy, MD, professor associado e diretor do Programa de Urologia Reprodutiva da Escola Miller disse que a pesquisa mostra que o coronavírus pode causar disfunção endotelial generalizada em sistemas orgânicos além dos pulmões e rins.

Segundo o urologista do núcleo de medicina sexual do Hospital Sírio-Libanês e membro da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) Carlos Bautzer, o vírus causador da COVID-19 apresenta uma predileção pelo endotélio, que é o revestimento interno dos vasos sanguíneos. “Dessa maneira, acontecem diversos fenômenos vasculares relacionados com a doença, como trombose, isquemia e dificuldade de trocas gasosas.” 
“Para que a ereção ocorra, é necessário que o sangue chegue a estruturas penianas denominadas ‘corpos cavernosos’, que se inundam com uma quantidade maior de sangue após estímulos erógenos e ocorre um represamento desse sangue. Desta maneira, ocorre a ereção. Para que aconteça uma dilatação destes vasos, chamadas artérias cavernosas, existe um estímulo de nervos que provocam a liberação de substância chamada ‘óxido nítrico’, produzida no endotélio dos vasos dentro dos corpos cavernosos, que promove a dilatação de vasos e o aumento do fluxo sanguíneo para dentro dos corpos cavernosos.” 
Porém, Carlos Bautzer afirma que, além da função do endotélio dos vasos dos corpos cavernosos, existem outras possíveis explicações para a piora da função erétil após a infecção pelo Sars-Cov-2. “O comprometimento cardíaco e da capacidade de bombeamento do coração, associado a fenômenos trombóticos – obstrução de vasos –, também pode afetar a função erétil, já que eles podem levar a uma redução da quantidade de sangue que chega aos corpos cavernosos, dificultando assim a capacidade de obter ereção.” 
Com informações da IstoÉ Dinheiro e do Jornal Estado de Minas