Brazil Urgente

Portal de Notícias em geral

Laudo da PF confirma que ‘vacina’ tomada por empresários de BH era soro

A Polícia Federal (PF) confirmou que parte do material apreendido na casa de uma falsa enfermeira na última terça-feira (30/03) era apenas soro fisiológico. A Operação Camarote investiga um suposto esquema de vacinação clandestina envolvendo empresários do setor do transporte de Belo Horizonte. A informação foi divulgada pela GloboNews na tarde desta quinta-feira (01/04).

Na ocasião, Cláudia Mônica Pinheiro Torres de Freitas, que na verdade é cuidadora de idosos, foi contratada pelos irmãos Robson Lessa e Rômulo Lessa, donos da Saritur, para aplicar a suposta vacina contra a COVID-19 em um grupo superior a 80 pessoas. As “vacinas” teriam sido fornecida por Cláudia, que foi presa na noite de terça.

Na casa da falsa enfermeira, os policiais apreenderam embalagens lacradas e sem sinal de adulteração de um produto descrito no rótulo com cloreto de sódio, ou seja, soro fisiológico. Ainda foram encontrados pacotes com informação sobre vacinas contra gripe e ampolas, mas a Polícia Federal ainda não se manifestou sobre estas substâncias.

De qualquer forma, ainda não existem indícios de vacinas contra a COVID-19, indicando até o momento que os imunizantes eram falsos, reforçando a suspeita de que os empresários mineiros caíram em um golpe. Existe a possibilidade de que o golpe também tenha sido aplicado em outras pessoas na cidade.

Até o momento, a hipótese de que as vacinas são falsas é a mais plausível. Outras linhas de investigação da Polícia Federal seriam a importação do imunizante de forma ilegal ou o seu desvio do programa nacional de vacinação do Ministério da Saúde.